I Colóquio Filosofia e Literatura

Rosa/Machado

Dias 10 e 11 de dezembro de 2008
Universidade Federal de Sergipe

Com o fim do ano, lá se vai a oportunidade de comemorar essa que foi uma efeméride singular no céu de nossas letras pátrias. Em 2008, completaram-se os cem anos de nascimento de Guimarães Rosa, escritor que despontou na literatura brasileira já como estrela de primeira grandeza, e ao mesmo tempo os cem anos da morte de Machado de Assis, por muitos considerado o maior de todos, incontornável sol de nosso sistema literário. Morte e nascimento, inversamente proporcionais?

A efeméride nos lembra o alto teor simbólico da comparação. É como se o bastão, quer dizer, o cetro, houvesse passado de um a outro. Algo que de certo modo veio a se cumprir, na história canônica da literatura brasileira. Um brilho correspondente marcaria a posição dos dois escritores na constelação. Machado renasce como Rosa. Transmigração?

Nenhum despropósito. Só quem não quis ser escritor no paós não veio a enfrentar o fantasma e o parâmetro inalcançável do poderoso Machado. Uma atrás da outra, cabeças continuam sendo ceifadas, até hoje, por conta dessa maldição. Mas houve quem ousasse se apresentar sob a forma de uma beleza arquiconvencional, e por isso mesmo irresistável. Da rosa, não se soube decepar-lhe o caule. Há um estudo do poeta Augusto de Campos sobre Guimarães Rosa que aponta similaridades estilísticas entre o estilo desse escritor e o de outro ícone de nossa literatura, para alguns: Oswald de Andrade. Augusto pôde numa ocasião referir a Rosa os resultados desse estudo. Disse-lhe cheio de entusiasmo que havia descoberto, da perspectiva tal, aquela coincidência notável entre sua escrita e a de outro mestre das nossas letras. Rosa perguntou no ato, para se decepcionar em seguida: "Machado de Assis?".

A história parece demonstrar que o desejo rosiano declarado se cumpre. Ao menos, existem algumas terceiras margens, para além do misticismo e das convenções de compadrio, de onde o cotejo parece colher evidências sustentáveis e animadoras. Neste ano, a efeméride foi força e pretexto para que essas margens fossem inventadas e percorridas. Sucumbimos à tentação.

Nossa terceira margem é projetada na confluência da literatura com a filosofia. De lá propomos o confronto e o espelhamento entre os dois escritores. Pretendemos colocá-los lado a lado, e frente a frente. Nada inédito, porém sempre instigante. Ainda mais com a coincidência de dois contos que, não fosse o subtítulo de um, seriam homônimos: "O espelho: esboço de uma nova teoria da alma humana", de Machado de Assis; e "O espelho", de Guimarães Rosa.

É esse o núcleo do evento que acontecerá agora em dezembro na UFS. A experiência reúne professores de filosofia e letras em torno de um mesmo objeto. Uma forma de homenagem, mas também tentativa de explorar as fronteiras de dois modos de conhecimento que se apresentam indissociáveis nas obras desses grandes escritores.



Minicursos dias 10 e 11
14:00h

Uma análise do cohecimento casmurro
Luiz Carlos Gomes Jr.

Paradoxo da liberdade em um quadrinho:
sobre "Quadrinho de estória" de Guimarães Rosa
Maria Cristina Veiga Blink


Palestras dia 10

16:00h

Mesa 1 - O ESPELHO DE MACHADO
Coord.: Prof. Dr. Cícero Cunha Bezerra

Palestrantes:
Prof. Dr. Alexandre Meyer Luz - (DFL/UFS)
Prof. Dr. Marcio Gimenes de Paula - (DFL/UFS)
Profa. Dra. Luciene Lages - (IL/UFBA)
19:00h

Mesa 2 - O ESPELHO DE ROSA
Coord.: Prof. M.Sc. Celso Donizete Cruz

Palestrantes:
Profa. Dra. Jacqueline Ramos - (NL/UFS-Ita)
Prof. Dr. Cícero Cunha Bezerra - (DFL/UFS)
Profa. Dra. Sílvia Faustino - (FFCH/UFBA)


Palestras dia 11

16:00h

Mesa 3 - ESPELHAMENTO: ROSA E MACHADO
Coord.: Profa. Dra. Jacqueline Ramos

Palestrantes:
Prof. Dr. Eduardo Gomes de Siqueira - (DFL/UFS)
Prof. M.Sc. Celso Donizete Cruz - (NL/UFS-Ita)
19:00h

Mesa 4 - REFLEXOS DO ESPELHO
Coord.: Prof. Dr. Eduardo Gomes de Siqueira

Palestrantes:
Um balanço do encontro, com a reunião
de todos os palestrantes


Inscrições a partir de 17 de novembro
no Centro de Educação e Ciências Humanas - CECH/UFS
Taxa única: R$ 10,00 (Dez Reais)
Vagas limitadas: 70

Anais do IV Colóquio Filosofia e Literatura: Poética

Com muita satisfação apresentamos os Anais do 4º Colóquio GeFeLit.
São 48 trabalhos sendo 3 conferências (resumos), 21 palestras (resumos) e 24 comunicações (textos completos).
A Palo Seco - 2017

A revista A Palo Seco (ISSN 2176-3356), periódico eletrônico anual organizado e publicado pelo Grupo de Estudos em Filosofia e Literatura (GeFeLit/UFS/CNPq), convida, para sua edição de 2017, pesquisadores envolvidos na articulação dessas duas grandes áreas temáticas.
* Submissões até 12/06/2017
Você tem notícia do latim?

A tese “Dois tempos da cultura escrita em latim no Brasil: o tempo da conservação e o tempo da produção – discursos, práticas, representações, proposta metodológica” do prof. José Amarante Sobrinho recebeu o Prêmio Capes de Teses 2014 - Letras e Linguística


Boa noite, 20-out-2017 ·
Última atualização: 27-jul-2017

Copyright © GeFeLit · 2009-2016

usuários no site: 
acessos a esta revista: 0